Street Fighter II' Hyper Fighting Street Fighter II' Turbo - Hyper Fighting         Desenvolvedor: Capcom Distribuidor: Capcom Produtor: Yoshiki Okamoto Designers: Akira Nishitani (Nin Nin) e Akira Yasuda (Akiman) Compositores: Yoko Shimomura e Isao Abe Plataformas: Arcade, Super NES, Sega Mega Drive, Xbox 360 Data de Lançamento: Novembro de 1992 (Arcade) Gênero: Luta     Contexto Histórico

Podendo ser considerada uma “atualização” de Champion Edition, Street Fighter II Turbo Hyper Fighting chega alguns meses após o lançamento do seu predecessor e inova mais um pouco. Lutadores ganham novas cores de uniformes e muitos deles ganham golpes novos. A jogabilidade é melhorada e agora o jogo está bem mais desafiador. Com a velocidade do jogo mais rápida, Street Fighter II Turbo Hyper Fighting chega a um patamar final da era Street Fighter II antes da chegada do Super. Muitos golpes aereos são adicionados a exemplo das versões adulteradas que circulavam o mundo, aqui apelidadas por “Street Fighter de Rodoviária”.

Lançado em novembro de 1992, cerca de oito meses após o lançamento do Champion Edition. A decisão da equipe da Capcom por lançar mais um Street Fighter II foi muito baseada em opiniões dos jogadores e também por “feedbacks” recebidos dos próprios desenvolvedores da empresa. A equipe resolveu por vez dar uma refinada na jogabilidade e tentar aproximar mais ainda do equilíbrio geral dos personagens, bem como a adição do modo turbo, acelerando a velocidade do jogo. Para a época, o incremento da velocidade turbo foi um avanço significativo no rumo que os jogos de lutas iriam tomar a partir de meados da década de 1990. Futuros avanços que outros jogos de lutas receberam, deram-se à uma certa ousadia que teve seu início com a velocidade turbo de Hyper Fighting. Mais adiante, pudemos notar outros avanços na jogabilidade, como os Super Combos em Super Street Fighter II Turbo, chain combos em Darkstalkers e os super pulos malucos que começaram em X-Men Childrem of The Atom. Esses três jogos saíram pouco tempo depois da versão turbo de Street Fighter II. Muitas outras “software houses” começaram a investir em jogos de luta. Era um desafio para essas empresas fazer com que seu jogo de luta não fosse comparado com a popular série Street Fighter II. A Sega foi a empresa que melhor se saiu nessa jornada, lançando então uma franquia de jogos de luta 3D que sobrevive até hoje, chamada Virtua Fighter. Feito isso, naquela altura, muitos jogadores  consideravam Street Fighter II Turbo um jogo totalmente novo, devido a dificuldade de adaptação a essa nova velocidade de jogo. Esses jogadores foram forçados a voltar aos arcades para refazer as suas estratégias de jogo e quem sabe, desenvolver novos combos e fintas.

desenvolvimento

Street Fighter II Turbo Hyper Fighting foi desenvolvido ainda para a primeira placa CPS de arcade, a “Capcom Play System” e foi basicamente uma atualização do Street Fighter II Champion Edition com determinados ajustes na jogabilidade e principalmente o aumento de velocidade do jogo. Como já estavam no terceiro jogo da série Street Fighter II, a Capcom estava a desenvolver sua nova placa de arcade, que viria a se chamar “Capcom Play System II”, e que é a placa que Super Street Fighter II viria a utilizar.

jogabilidade

Bom, como já foi dito anteriormente, a palavra chave é mesmo TURBO! A principal inovação com relação ao jogo anterior foi o aumento de velocidade na jogabilidade. Jogadores experientes tiveram que reinventar sua maneira de jogar com essa nova velocidade. Personagens muito fortes foram muito favorecidos com esse novo sistema. Zangief, por exemplo, ficou muito mais perigoso. Chegando perto mais rapidamente significava mais pilões e muito dano sendo direcionado ao oponente de forma muito rápida. Por outro lado, lutadores que já eram rápidos, como o caso de Chun-Li e Vega ficaram um tanto quanto complicado de se jogar. Acertar o tempo dos golpes, agora com a velocidade aumentada se tornou um desafio. No final de 1992, tinhamos duas faixas de jogadores: Aqueles que adoraram a nova versão turbo contra aqueles que tiveram muitos problemas de adaptação e com isso preferiam a versão Champion Edition clássica. Todos os personagens ganharam novos golpes especiais, com exceção de Guile e dos quatro chefes. Dentre os golpes novos podemos destacar o projétil de Chun-Li, o “kikouken” e o “super hundred hand slap” de E. Honda, que agora funciona também como anti-aéreo.

personagens

Os lutadores de Street Fighter II Turbo são exatamente os mesmos de seu antecessor, o Champion Edition. São eles: Ryu, Chun-Li, Guile, Ken,Blanka, E. Honda, Zangief, Dhalsim, Balrog, Vega, Sagat e M. Bison.

controle

Como ficou característico, o logo da abertura do jogo mudou de cor de novo. Degradês do lilás para o amarelo agora são as cores da vez. Os comandos ainda estão bem suaves e fluem com uma certa naturalidade, principalmente para os jogadores mais experientes. Existem relatos de alguns jogadores na época, dizendo que estavam com dificuldades para executarem os golpes especiais, por causa da nova velocidade. Com o jogo mais rápido, agora tinhamos a sensação de poucos frames para executar o comando. Ou seja, o jogo está mais rápido e sua coordenação tinha que acompanhar esse avanço. Com a vinda de alguns golpes especiais aereos, muitos jogadores tiveram que conseguir muito tempo de prática nos arcades, a fim de dominar mais um Street Fighter II. Os controles dessa nova versão exigiram de muitos jogadores um certo treino, mas no fim, se você já era um jogador das outras versões, não demoraria muito para dominar a arte de se controlar Street Fighter II Hyper Fighting!

Esse texto foi escrito com base em informações encontradas na wikipedia, no livro oficial de 15 anos do Street Fighter, o Eternal Challenge e também com base na experiência de jogador do autor.

Autor: Junião

Tags relacionadas: Street Fighter II, Turbo, Hyper Fighting

artworks

screenshots capas